marski 85px 

 

Mochilas - escolhendo qual modelo comprar

por Flávio Bannwart e adaptações menores por Davi Marski, setembro de 2007

Que bacana comprar uma mochila cargueira nova ! Não é mesmo ?

Geralmente essa é uma companheira por 5 a 10 anos, ou mais.

Ela acaba ralando com o uso, as favelas gastam e os ajustes vão se perdendo.

Pode rasgar o tecido com galhos ou pedra. Normal.

Tenho uma mochila Kailash Everest 80+26. Mesmo assim, já lotei até a boca diversas vezes, tendo que socar todos os espaços e pendurar coisa pra fora, além precisar de mochila de ataque adicional vestida na frente. Uma cargueira menor tornaria a empreitada impraticável.

Nem é preciso dizer que equipamento de montanha exige bastante da mochila, pelo peso, volume e pelas bordas metálicas.

Com respeito a bolsos e compartimentos, bastam o tubo principal, dois bolsos laterais e a cabeça, com uma divisão para documentos. Claro que existe a tendência de se encher com mais do que se precisa, quando a empreitada é curta. Para evitar isso, normalmente se segue uma listinha de coisas já otimizada (o chamado "check list").

Uma conta simples sobre o máximo peso com relação ao conforto em caminhada é de 1/3 do peso próprio do caminhante. Isso seria em torno de 25 Kg, digamos.

Uma carga típica de caminhada longa tem esse peso ou mais, e só cabe em cargueira grande. 

Já tive duas grandes da Mont Blanc (90 litros), foram ótimas, duraram muito e fizeram o serviço.

A Kailash é boa; gosto da barrigueira dela, que é um dispositivo fundamental de encaixe, pois alivia a tensão sobre os ombros e coluna, jogando a maior parte do peso sobre os quadris. A barrigueira tem que ser acolchoada, ampla e com fivela forte e que não deixe a fita deslizar.Ficar ajustando a fivela a todo momento atrapalha bastante.Tem que ficar justa para fazer a função. Fivela fraca abre quando se caminha em uma subida forte, pela contração do abdômen, traindo o caminhante no momento de explosão.

Caminhar com o peso total sobre os ombros não é bom ...

Sobre a marca Curtlo, gosto dela. Outras opções (excelentes) são as mochilas da Equinox, MontBlanc, Conquista, Trilhas e Rumos (ultimamente muito a qualidade), Kailash e Curtlo.  (os itens grafados dizem respeito a equipamentos produzidos e refinados por escaladores brasileiros. São mochilas e equipos nacionais, de qualidade excelente. Se puder, compre de uma dessas marcas para ajudar as pessoas que fazem o montanhismo acontecer).

  • A Conquista Montanhismo fabrica uma de 75+20 litros. Muito robusta e resistente

  • A equinox fabrica (nas minhas opinião, as melhores mochilvas possíveis, todas em cordura...) uma de 75 a 100 litros e outra, de 90 a 145 litros.

  • A mont blanc tem modelos de 75 +15 litros e 90 + 15 litros. Excelentes e duráveis (eu tenho uma)

  • A "trilhas e rumos" foi famosa pela qualidade duvidosa dos equipamentos no passado, atualmente tem apresentado produtos excelentes e preços muito bons. Possui um modelo de 80 litros, entretanto, desconfio que o tecido utilizado (nylon 600 / 900) não suportaria grandes abrasões nem a estrutura da mochila suportaria grandes cargas.

  • A Curtlo também tem uma de 75 + 15 litros. Excelente e feita em Cordura.

  • A Kailash fabrica uma de 75+10 litros. Muito boa, excelente encosto. Só não gosto por ser feita em nylon (ainda que ripstop).

A desvantagem da cargueira grande é, basicamente, o peso próprio.

mochila01.jpg

Uma das minhas mochilas, feitas em Cordura e com cerca de 15 anos uso.. é uma 90 + 15 litros (na foto ela não está cheia em sua capacidade)

Os itens básicos para uma viagem autônoma são

saco de dormir, barraca, panela, fogareiro, garrafa do fogareiro, isqueiro, fósforo, garrafa PET pequena para benzina, talheres de plástico e vasilha para comer, caneca plática (térmica se for em ambientes de temperatura abaixo de zero), isolante térmico, toalha de rosto, material de higiene, protetores solar e labial, óculos escuros, óculos de grau reversa (para quem precisa, obviamente), cordinha para óculos não caírem, caixinha de primeiros socorros, * roupas, ** equipamentos de montanha, head lamp, *** comida (para o número de dias necessários) e temperos, 2 garrafas PET de 2 litros cada uma, capa de mochila, 2 cuecas, 2 pares de meias grossas, 2 pares de meias finas tipos social, canivete multiuso, pequena lanterna de reserva, pedaço de silver tape, faca (opcional), lona para chão de barraca (opcional), 2 sacos plásticos grande tipo de lixo (no mínimo), meia dúzia de sacos plástico pequenos, um pequeno livro, folhas avulsas para anotações, uma lapiseira e uma caneta, vela de citronela (opcional), radio talkabout (opcional), pilhas reservas, hidrohisteril 9purificador de água, pequeno cortador de unha (dependendo da duração da viagem, a partir de uma semana, mais ou menos), celular (opcional), mapa (se necessário), GPS (opcional), bússola (opcional), pequena lunete (opcional), apito, pequeno espelho, agulha, pedaço de arame, barbante, cadarço reserva, pinça, 2 calçados no mínimo (uma bota para a caminhada e um tênis velho em bom estado de reserva na mochila), bastões de caminhada (opcional), máquina fotográfica (opcional), calça e blusa de anorak (depende). 

* O item comida varia bastante com o tamanho da viagem, tipo de viagem, etc.

10 dia de comida é bastante coisa, principalemente, se não for comida técnica, liofilizada.

Particularmente, prefiro comida de supermercado mesmo, pois apesar de mais pesada, é mais simples, masi barata e alimenta melhor. Barras de cereais são importantes, doce de banana e carne em conserva, tipo salame ou copa (o que prefiro).

Prefira bolachas salgadas; perde-se muito sal nas trilhas e bolacha doce, pra mim pelo menos, não cai muito bem.

Macarrão, molhos, uma batata cozida, legumas, frutas como maça (minimize o número, pelo peso), frutas secas, granola, uma barrinha de chocolate, pedaço de provolone, minimize enlatados.

Se comprar azeitonas verdes em conserva, que são um ótimo alimento durante a trilha, drene a água, tire do vidro e leve num saco plástico.

A granola com chocolate e aveia pode ser levada em garrafas PET de 600 ml; aí é só misturar com água e beber.

** Se além do passeio em si houver algo de escalada ou caverna, acrescente o equipo necessário para rocha, gelo, seja o que for.

  mochila02.jpg

mochila03.jpg

Subida ao Acampamento Base do Cerro Tronador : 18Km de distância e quase 1800m de desnível...  Ambas as mochilas da foto acima são de 80 + 25 litros (ou algo próximo a isto...)

Isso pesa pra caramba e pode variar muito, podendo ser necessário o chamado trabalho de formiga, levando a carga aos poucos, indo e voltando.

Você pode contornar esse problema contratando guia, carregador, mula, mas aí a viagem muda de significado. Cada caso é um caso (tempo, objetivo); procuro sempre evitar isso.

* Se o ambiente for quente, a roupa é uma calça de abrigo leve e fina tipo BY para não queimar a pele ao sol e/ou arranhar no mato/pedras, e camiseta (clara) de manga comprida, boné com pano para sombra no pescoço, uma bermuda, uma camiseta extra, um agasalho para noite ou usar como travesseiro.

Se rolar neve, como você falou, a roupa aumenta bastante, assim como o volume do saco de dormir.

Equipamento técnico (mas caro ...) faz a diferença.

Para frio brasileiro, mesmo de temperaturas positivas, tente levar capa reflexiva de emergência; pesa pouco, é barata e pode fazer milagres.

Se estiver no agreste, lave as roupas e tome banho só com água. Não use sabonete. 

Regras gerais: 

  • Isolante sempre fora da mochila.Barraca, depende; você pode dividi-la ao seu critério (varetas, corpo, cobertura, estaquinhas), uma parte dentro ou tudo pra fora conforme a necessidade.
  • Itens mais densos devem ficam no meio da mochila no sentido longitudinal, o mais próximo e paralelo possível da coluna, para trazer o CG da mochila o mais próximo possível do seu próprio, no sentido horizontal.
  • Na direção vertical, eu prefiro CG da mochila alto colocando o saco de dormir no fundo, para ter mais alinhamento nesse direção com o CG corporal; isso facilita a caminhada (vide as mulheres que carregam latas d'água e estivadores que carregam sacos de grãos na cabeça).
  • Porém, se a trilha for muito exposta e o risco de queda for significativo, prefiro fazer o inverso nesse sentido, deixando os itens pesados no fundo.

 Diversos itens podem ser sacrificados para tornar a viagem mais leve.

mochila04.jpg

Acampamento Base no Tronador - Patagônia Argentina

O risco diminui à medida que a viagem for mais rápida, em clima quente, estável, sem chuva, próximo da civilização, se tiver guia, mais gente pela trilha, etc.

Se tiver espaço sobrando, a mochila sempre pode ser compactada na boa. 

Viagem essencialmente urbana pela América do Sul com trilhas de 3 dias são tranqüilas e não precisam de muitos desses itens todos relacionados acima.

Um amante da natureza jamais deixa qualquer lixo.

Leve tudo de volta e até mesmo algum lixo dos outros que encontrar.

Recicle tudo.

 

 Imprimir  E-mail

Pode ser do seu interesse...