marski 85px 

 

Mensagem

[Goo.gl service] Message: Daily Limit for Unauthenticated Use Exceeded. Continued use requires signup.; Location:

Rapel - Transpondo nós em cordas danificadas

(matéria publicada pelo autor no Mountain Voices, edição 140 de 2014)

Fazer um rapel é a coisa mais trivial do mundo, certamente ninguém tem dificuldades com isso, correto ?

Agora imagine o seguinte cenário:  

Você está escalando tranquilamente com o seu parceiro, vocês chegam em uma das paradas da via, e enquanto estão conversando ali, inadvertidamente seu colega derruba uma pedra do platô no qual vocês se encontram... E essa pedra durante a queda acerta de forma violenta a corda de escalada de vocês, rompendo a capa e expondo a alma da corda...

corda destruida

Ou então você está guiando um lance qualquer, uma agarra qualquer quebra e você sofre uma queda inesperada... logo após a queda, você já cansado e com o susto que acabou de tomar, pede que o seu parceiro te baixe até a última proteção, para você poder se prender com o seu auto-seguro e descansar um pouco... entretanto durante essa descida a corda entra em atrito com um cristal de quartzo e ela rasga profundamente, rompendo a capa e expondo a alma da corda...

 corda destruida credito Bernardo Vasconcelos

Corda do Bernardo Vasconcelos, era uma corda Beal Yuji, nova, que rasgou a capa durante um rapel em Andradas-MG

Claro que a escalada acabou nesse momento... resta apenas preparar o rapel  e descer... mas e agora ? é seguro descer de rapel usando uma corda dessas ?

Claro que não !

Após os dois escaladores estarem em segurança na parada, o primeiro passo é isolar esse segmento danificado da corda, isso é fácil de ser feito e basta dar um nó “borboleta alpina” no trecho danificado.

no borboleta alpina

E agora surge então um novo problema! Agora tem um nó na corda! E será necessário passar por esse nó durante o rapel!

Vamos ver nesse breve artigo como fazer isso com segurança.

Você precisa de pouco material... você como um escalador prevenido certamente já terá todo o material preso em seu rack (e o seu parceiro também):

  • um cordelete de 4 ou 5mm, fechado em anel, com cerca de uns 40 ou 50cm de comprimento ou algum material equivalente (uma fita tubular de 60 ou 90cm, por exemplo).
  • outro cordelete fechado em anel, com cerca de 1,20m (ou algo equivalente).
  • E uns dois mosquetões, preferencialmente com trava.

Passos para transpor um nó na corda durante o rapel

Passo 1 - Isole o trecho danificado da corda usando o nó “borboleta alpina”.

Se você não sabe como fazê-lo, tem um excelente tutorial em: http://www.animatedknots.com/alpinebutterfly/

Eu recomendo que o isolamento do trecho danificado da corda seja feito antes de iniciar-se o rapel.

borboleta alpina 2

Se eventualmente houver o risco da corda enroscar em algum lugar devido ao nó, inicie a descida levando o restante da corda com você, evitando esse problema.

O pior cenário é deixar para dar o nó “borboleta alpina” já durante o rapel, quando chegar próximo ao trecho danificado da corda...

Com a mesma preocupação, evite deixar a alça do “borboleta alpina” muito saliente, para que não enrosque na hora de recolher a corda. 

 logo atencao

DICA SUPER IMPORTANTE: Lembre-se de sinalizar/marcar qual o lado da corda será puxado, evitando que o nó fique preso na parada... isso pode ser feito dando um nó extra na ponta dessa corda...

 

Passo 2 - Monte o seu freio descensor (seja ele um ATC, oito, placa gigi, etc..), e abaixo dele, monte o seu nó autoblocante que será utilizado como backup para o rapel   

Inicie o rapel.

Quando você estiver a cerca de 50cm (por exemplo) do nó “borboleta alpina”, interrompa a descida, deixando que o seu backup entre em ação, bloqueando assim o rapel.

foto01

Passo 3 - Com o cordelete de aproximadamente  40 ou 50cm, dê um nó autoblocante acima do seu freio e prenda-o ao seu “loop” da cadeirinha usando um mosquetão preferencialmente com trava.

Movimente o corpo do nó autoblocante o máximo possível para cima, de forma a deixar o cordelete esticado.

Continue o rapel, de forma que o seu peso seja totalmente transferido do seu freio para o cordelete.

foto02

Passo 4 - A aproximadamente 1m abaixo do nó “borboleta alpina” dê um nó “oito” ou “azelha” com os dois pedaços de corda .

Na alça formada pelo nó, passe um mosquetão (com trava) e prenda-o ao seu loop, não esquecendo de fechar a trava do mosquetão.

Nesse momento, você já terá uma segurança “extra”para a próxima etapa.

Dica: se você tiver um mosquetão (com trava) sobrando, considere usar dois mosquetões paralelos, com as travas opostas, para fazer essa união... é um pouco a mais de trabalho mas aumenta a sua segurança caso aconteça alguma coisa com os cordeletes nas próximas etapas.

foto03

Como o seu peso já está totalmente no cordelete acima do freio, e como você já está preso por um mosquetão com trava à corda abaixo do nó borboleta alpina, então você pode agora retirar o freio descensor e seu respectivo backup.

Passo 5 - Coloque o freio descensor abaixo do nó “borboleta alpina” e refaça o nó autoblocante do backup.

 logo atencao

Atenção: Verifique novamente todo o sistema e tenha certeza que está tudo correto!                


foto04

Passo 6 - Com um segundo cordelete, dessa vez um cordelete um pouco maior (cerca de 1,00 ou 1,20m), dê com um nó autoblocante na corda de escalada, em uma posição qualquer abaixo do cordete no qual você está pendurado.

Use a alça formada por este segundo cordelete para funcionar como um “pedal” e assim retirar o peso do primeiro cordelete, e então movimente o nó autoblocante do primeiro cordelete para baixo.

Esse processo provavelmente precisará ser repetido uma ou duas vezes.

Faça o processo quantas vezes for necessário até que você finalmente consiga transferir todo o peso do seu corpo para o freio descensor.

foto05

Quando o seu peso chegar ao freio descensor, deixe o nó autoblocante do backup entrar em ação, bloqueando a sua descida.

Nesse momento você já terá transposto o nó “borboleta alpina”.

Agora você pode se desconectar do cordelete que está acima do nó e remover os dois cordeletes.

foto06

Finalmente, remova o mosquetão que une você à corda mais abaixo e desfaça o nó utilizado (oito ou azelha)               

Pronto ! Continue o rapel normalmente !

Com um pouco de prática, é possível  fazer esse procedimento em menos de 3 minutos, com calma e tranquilidade.

foto07

 logo atencao

Atenção: Não espere uma situação real acontecer para você tentar se lembrar desse artigo.

Treine esse técnica (e os nós utilizados) em um ambiente controlado e seguro, até se sentir com total confiança para uma aplicação real. 

Lembre-se que sua segurança é sua responsabilidade.

Para finalizar, fiz um vídeo com todos esses passos no qual tentei ser o mais didático possível, ele pode ser visto pelos links:

 

Escale seguro e boas escaladas !

Davi Marski, outubro de 2014

 

PS: Vale a pena ver o artigo do Eliseu Frechou sobre como identificar cordas danificadas.

PS2: Roupas da Hard Adventure, prestigie a indústria brasileira !

 

ImprimirEmail

Pode ser do seu interesse...